quarta-feira, 15 de fevereiro de 2017

Sobre o desapego

Um dia aprendemos... eu aprendi... de uma forma dolorida, mas aprendi...
Que é difícil abrir mão daquilo que gostamos muito. Que é muito pior quando você se sente impotente, quando você tentou de tudo - tudo mesmo...

Difícil quando se trata de amor. Quando se trata de um sentimento que veio de uma forma tão natural e intensa... que me transformou, transbordou...
Difícil quando você faz planos, quando sonha, quando você se imagina ao lado dessa pessoa e concretizando os planos que você fez - quando juntos sonham e fazem planos também.
Difícil quando você sabe que não depende de você! E que não há mais nada que possa ser feito, nada mais a ser dito, somente sentido com todo o coração.

Sentido com a alma e com o coração
Que parecem mais caquinhos espalhados no chão
Perdidos, indefesos, presos na solidão

Não solidão dos abraços não dados
Dos beijos desperdiçados
Dos corpos emaranhados
Nunca mais entrelaçados

É uma dor constante, 
Uma saudade latente 
Batendo na gente e se fazendo presente 
Em qualquer situação. 

Esses dias relembrei uma foto, nela vi sorriso soltos, uma leveza nos olhares e, acima de tudo, vi amor. Vi duas pessoas conectadas, unidas pelo mesmo sentimento... duas pessoas que se amavam, se cuidavam...

Mas sabe o que é pior? Ter a sensação de que tudo foi em vão, que vivi uma ilusão...
É inevitável não pensar, não sofrer, inevitável não deixar as lágrimas rolarem... quem sabe elas não lavam e levam esse sentimento que me aperta o cotação?
É inevitável não me sentir idiota, não me sentir enganada, não me traída.

Ai coração, por que foi se entregar assim?
Por que foi sentir com essa intensidade e não teve reciprocidade?

Pior do que me sentir na merda, é dizer ADEUS.
Pois essa palavra nunca foi dita, mais todos os dias ela se faz presente... pois cada dia que passa é um passo pra longe de ti.

Aquele tapa na cara que me deste ao dizer "Não me julgue mal. Só estou tocando  vida", só reafirmou um desejo seu que não soube externar... só reafirmou seu comodismo, a sua falta de atitude e respeito comigo.

Não! Não vou mais te procurar!
Não! Não vou mais te esperar!
Já sofri, já chorei, já me revoltei... esse papel não quero mais.
Meu coração nunca se enganou, ele sempre soube que eu seria segunda opção... que você nunca mudaria de posição e só coube a mim descobrir. Pena que demorou tanto, para saber que não foi recíproco... descobri tarde demais... esse papel de amante nunca mais.

Saiba que não estrei mais aqui quando você decidir cair na real...
Saiba que não estarei mais aqui quando se decidir, quando resolver mudar...

Fui, pra nunca mais voltar!

A Mãe da Estela ♥

Nenhum comentário: